A língua dentro da própria língua: Herberto Helder, Maria Filomena Molder e a lógica do poema.

  • Eduardo Jorge de Oliveira Romanisches Seminar, Universität Zürich
Palavras-chave: Poesia, Língua, Filosofia, Herberto Helder, Maria Filomena Molder

Resumo

Este ensaio faz parte de um estudo mais amplo sobre as contribuições de Walter Benjamin e Roman Jakobson para a compreensão da língua como um fenômeno material para a poesia. No caso mais preciso, estudamos esses aspecto na poesia de Herberto Helder, com atenção particular ao livro A faca não corta o fogo (2008/2014), que é lido à luz de Dia alegre, dia pensante, dias fatais (2017) de Maria Filomena Molder.

Biografia Autor

Eduardo Jorge de Oliveira, Romanisches Seminar, Universität Zürich

Eduardo Jorge de Oliveira é professor assistente de Literatura Brasileira no Romanisches Seminar da Universität Zürich. Ele é o autor de A invenção de uma pele: Nuno Ramos em obras (Iluminuras, 2018) e Signo, Sigilo: Mira Schendel e a escrita da vivência imediata (Lumme Editor, 2019).

Referências

Barthes, R. (2002). “Le bruissement de la langue”. In Œuvres Complètes IV (1972- 1976) (E. Marty, ed.). (pp. 800-803). Paris: Seuil.

Benjamin, W. (2011) .“Sobre a linguagem geral e sobre a linguagem do homem”. In Escritos sobre mito e linguagem (1915- 1921) (J. M. Gagnebin, org.; S. K. Lages, trad.). (pp. 49-73). São Paulo: Ed. 34, Duas Cidades.

Camões, L. de. (1992). Lírica (J. L. Grünewald, org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Cesarino, P., e Faleiros, A. (2019) “Herberto Helder Tradutor de Poéticas não- Europeias”. Cadernos de Tradução, 39 (n.o esp.), pp. 348-371.

Cocteau, J. (2013). Secrets de Beauté. Paris: Gallimard.

Deleuze, G. (1997). Crítica e Clínica (P. P. Pelbart, trad.). São Paulo: Ed. 34.

Duarte, B. (Org.) (2011). Lógica poética, Friedrich Hölderlin. Lisboa: Vendaval.

Duchamp, M. (1975). Duchamp du Signe (M. Sanouillet, dir.). Paris: Flammarion.

Flusser, V. (2004). Língua e realidade. São Paulo: Annablume.

Helder, H. (2008). A faca não corta o fogo. Porto, Porto Editora.

— (2010). As magias. Alguns exemplos. Poemas mudados para o português. Lisboa: Assírio e Alvim.

— (2014). Poemas completos. Porto: Porto Editora.

— (2014). A morte sem mestre. Porto: Porto Editora.

Jakobson, R. (2003 [1963]). Essais de linguistique générale. 1. Les fondations du langage (N. Ruwet, trad.). Paris: Les Éditions de Minuit.

— (1977). Huit leçons de poétique. Paris: Seuil.

Maiakovski, V. (2014). Comment écrire des vers (P. Blanchon, trad.). Paris: Nerthe.

Maniglier, P. (2018). La Vie énigmatique des signes. Saussure et la naissance du structuralisme. Paris: Non & non, Éditions Léo Scheer.

Molder, M. F. (1995). O pensamento morfológico de Goethe. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda.

— (2011). O químico e o alquimista. Benjamin, leitor de Baudelaire. Lisboa: Relógio d’Água.

— (2017). Dia alegre, dia pensante, dias fatais. Lisboa: Relógio d'Água.

Molder, M. F., e Soares, M. L. C. (org.). (1996). A filosofia e o resto. Lisboa: Edições Colibri.

Saussure, F. de (2016). Cours de Linguistique Générale (C. Bally, A. Sechehaye, A. Riedlinger, ed.). Paris: Payot & Rivages.

Schwitters, K. (1998). “Meine Sonate in Urlauten” (1927). In Die literarischen Werke. Band 5. Manifeste und kritische Prosa. (pp. 288-292) Köln: DuMont.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
de Oliveira, E. J. (2020). A língua dentro da própria língua: Herberto Helder, Maria Filomena Molder e a lógica do poema. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, (1), 12 - 30. https://doi.org/10.34913/journals/lingua-lugar.2020.e200