Claridade: Movimento de emancipação cultural e ideológica cabo-verdianas

Autores

  • Alberto Carvalho Centro de História da Faculdade de Letras Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e525

Palavras-chave:

Cabo Verde, Claridade, identidade, nacional, nacionalismo

Resumo

A revista Claridade, de periodicidade descontínua, compreende nove números distribuídos por três ciclos, 1936-1937, 1947-1949, 1958-1960, representando na história literária cabo-verdiana o estabelecimento do período realista, sucedente ao primeiro período, romântico, iniciado na segunda metade do século XIX.

Quando ao seu ideologema (na nossa interpretação: Cabo Verde cabo-verdiano) pode-se dizer, simplificando os dados, que se escande segundo aqueles três ciclos: o primeiro de afirmação identitária, o segundo de diálogo exógeno e o terceiro motivado pela reivindicação nacionalista em situação de país submetido ao regime colonial.

Biografia Autor

Alberto Carvalho, Centro de História da Faculdade de Letras Universidade de Lisboa

Alberto Duarte Carvalho, Professor Catedrático da Universidade de Lisboa/ FLUL, aposentado em 2007. Foi docente nas áreas de Poética (Teoria literária, Semiótica literária, Métodos de análise e leitura literária, Metodologias de Investigação) e de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, com especialização no domínio da Cultura e Literatura Cabo-Verdianas e de Literatura de Viagens. Convidado por instituições universitárias de diversos países europeus e africanos, Brasil e, nomeadamente, Cabo Verde, país com o qual mantém uma continuada relação de trabalho há várias décadas. Investigador do Centro de História da Faculdade de Letras de Lisboa, área “Atlantic Studies / Cultural Encounters and Intersecting Societies” e da Cátedra Eugénio Tavares, da Universidade de Cabo Verde, interessando-se por investigação teórica e ensaística em Historiografia, Cultura e Literatura Cabo-Verdianas, Literatura de Viagens e Literaturas Africanas de Língua Portuguesa.

Referências

AA.VV. (1944). Certeza. S. Vicente: Folha da Academia, n. 1; id., n. 2.

AA.VV. (2017). Claridosidade. Edição Crítica. Lisboa: Rosa de Porcelana.

AA.VV. (1959). Colóquios Cabo-Verdianos. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

AA.VV. (1958). “Suplemento Cultural” da revista Cabo Verde, n. 1, Praia: Imprensa Nacional

Alcântara, O. (1986). Cântico da Manhã Futura. Praia: Banco de Cabo Verde [Em publicação mais recente: (1991). id. Linda-a- Velha: ALAC].

Allix, J.-P. (1996). L ́Espace humain. Paris: Seuil.

Amarilis, O. (1994). “Sobre a condição subalterna da mulher no mundo ocidental”, Certeza, n. 1, S. Vicente, Março, p. 6.

Benveniste, Émile (s.d.), “Estrutura das Relações de Pessoa no Verbo”. O Homem na Linguagem. Lisboa: Vega, pp. 17-27.

Cabral, A. (1952). “Notas sobre a poesia caboverdeana”. Cabo Verde, n. 28, Praia: Imprensa Nacional, pp. 5-8.

Cardoso, P. (1934). Sonetos e Redondilhas. Cabo Verde: Tip. «Minerva».

Carreira, A. (1983). Cabo Verde – Formação e Extinção de uma Sociedade Escravocrata (1460-1878). s.l., ICL.

Carvalho, A. (2017). “Da Claridade, ainda, e sempre”. AA.VV. Claridosidade. Lisboa: Rosa de Porcelana, pp. 17-39.

— (1997). “Um pouco de historiografia (Prefácio)”. Santos-Lopes, M. Falucho Ancorado. Lisboa: Cosmos, pp. XI-LXV

Conquet, J.-C. (1997). La Quête du Sens – Le langage en question. Paris: Presses Universitaires de France.

Duarte, M. (1954). “Caboverdianidade e Africanidade”, Vértice, Vol. XIV, n. 134, Coimbra, pp. 639-644 [Republicado em Caboverdianidade e Africanidade e outros Textos. Praia: Spleen, 1999].

Ferreira, M. (org.) (1986). Claridade. Linda- a-Velha: ALAC.

Figueiredo, J. (1956). “Ensaio de interpretação do poema «Nocturno» de Osvaldo Alcântara”, Cabo Verde, n. 78, Praia, p. 6-18. [Republ. (2017). Jaime, Praia: Pedro Cardoso Livraria, pp. 39-54.]

Fonseca, A. (1949). "Metamorfose”, "Oportunidade Perdida”, Claridade, n. 5, pp. 17 e 18;

— (1949). "Poeta e Povo", Claridade, n. 7, p. 28.

França, A. (1962). Notas sobre a Poesia e a Ficção Cabo-Verdianas. Praia: Centro de Informação e Turismo.

— (1963). Diário Popular, n. 7417, 6/6/1963, Suplemento, n. 334, pp. 1 e 7.

Goldmann, L. (1964). Pour une sociologie du roman. Paris: Gallimard.

Gonçalves, A. A. (1960). “Problemas da Literatura Romanesca em Cabo Verde”. Antologia da ficção cabo-verdiana contemporânea. Praia: Edições Henriquinas – Achamento de Cabo Verde.

Lopes, B. (1947). Chiquinho. S. Vicente – Cabo Verde: Edições “Claridade”

— (1956). Cabo Verde Visto por Gilberto Freyre. Praia: Imprensa Nacional.

Lopes, B. et all. (Selecção, Introdução, Comentário). (1960). Antologia da Ficção Cabo-Verdiana Contemporânea. Praia: Edições Henriquina – Achamento de Cabo Verde.

Lopes, M. (1959). “Reflexões sobre a Literatura Cabo-Verdiana ou a Literatura nos Meios Pequenos”. Colóquios Cabo-Verdianos. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, pp. 3-22.

Silveira, O. (1963). Consciencialização na Literatura Caboverdiana. Lisboa: CEI (Casa dos Estudantes do Império).

Mariano, G. (1963). Diário Popular, n. 7417, 6/6/1963, Suplemento, n. 334, pp. 1 e 7.

Sousa, T. (1958). “Cabo Verde e a sua gente”. Cabo Verde, n. 109, Praia, pp. 7-13.

Tynianov, I. (1965). “De l’évolution littéraire”. Théorie de la littérature. Paris: Seuil, pp. 120-137.

Claridade: movimento de emancipação — Alberto Carvalho

Publicado

12-08-2021

Como Citar

Carvalho, A. (2021). Claridade: Movimento de emancipação cultural e ideológica cabo-verdianas. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, 2(3), 24–43. https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e525