Linguagem em delírio: a literatura contracultural brasileira nos anos 60 e 70.

  • André Masseno Romanisches Seminar, Universität Zürich
Palavras-chave: Literatura, Anos 60-70, Brasil, Contracultura

Resumo

Durante os anos 60 e 70 quando o Brasil vivia os anos mais acirrados da ditadura, uma série de narrativas literárias apresentava um olhar crítico para o período vigente. Certa parcela de autores afinados com a contracultura buscava uma abordagem da realidade sociopolítica nacional a partir de ficções repletas de imagens alucinógenas/alucinadas. Partindo deste contexto, o presente artigo busca assinalar algumas produções literárias interessadas na abordagem daquele momento brasileiro através do que cunhamos como experiência do delírio, apresentando uma linguagem multifacetada que, por sua vez, desmantela a logicidade e o controle discursivo almejados pelos meios oficiais.

Biografia Autor

André Masseno , Romanisches Seminar, Universität Zürich

Andre Masseno é doutor designatus em Literatura em Língua Portuguesa pela Universität Zürich, onde também atua como assistente em Literatura e Cultura Brasileira e Latino-americana no Romanisches Seminar. É professor de português na University of St. Gallen. Mestre e especialista em Literatura Brasileira pela UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), onde é professor convidado desde 2011. Foi organizador das publicações Bioescritas/Biopoéticas: pensamentos em trânsito (2018, com Daniele Ribeiro Fortuna e Marcelo dos Santos), Bioescritas/Biopoéticas: corpo, memória, arquivos (2017, com Ana Chiara et alii), Filosofia e cultura brasileira (2012) e Para ouvir uma canção: ciclo de conferências sobre a canção popular brasileira (2011, com Tiago Barros). Sua tese de doutorado, intitulada A trama tropical: capítulos da (contra)cultura brasileira, versa sobre a historicidade do conceito de tropical e suas ressonâncias discursivas nas produções artístico-literárias da contracultura brasileira das décadas de 1960 e 1970.

Referências

Brandão, I. de L. (1980) Zero. Rio de Janeiro: Codecri.

Ferraz, E. (2013) Poesia marginal: palavra e livro. São Paulo: Instituto Moreira Salles.

Ginzburg, J. (2012) Crítica em tempos de violência. São Paulo: Edusp.

Hoisel, E. (1980) Supercaos: os estilhaços da cultura em Panamérica e Nações Unidas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Ianni, O. (1983) Revolução e cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Lima, M. H. de. (2012) “Zero: uma alegoria do Brasil”. Signótica, v. 23, jan./jun. 2012, pp. 87-101.

Lispector, C. (1979) “Literatura e justiça”. In: Para não esquecer. São Paulo: Ática, p. 25.

Maciel, L. C. (1996) Geração em transe: memórias do tempo do tropicalismo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Matos, G. de (1972) Urubu-Rei. Rio de Janeiro: Edições Gernasa.

— (1973) Os morcegos estão comendo os mamões maduros. Rio de Janeiro: Eldorado.

Mautner, J. (2002) "Deus da chuva e da morte" In: Mitologia do Kaos, vol.1. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, pp. 9-349.

— Kaos. In: Mitologia do Kaos, vol.1. Rio de Janeiro: Azougue Editorial 2002, pp. 351-656.

Paula, J. A. de (1988) Panamérica. São Paulo: May Limonad.

Santiago, S. (2019) “Os abutres”. In: Uma literatura nos trópicos. Recife, Cepe, pp. 149- 169 [1972].

Silverman, M. (2000) Protesto e o novo romance brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ventura, Z. (2000) Geração em trânsito. Rio de Janeiro: Aeroplano.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Masseno , A. (2020). Linguagem em delírio: a literatura contracultural brasileira nos anos 60 e 70. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, (1), 152 - 166. https://doi.org/10.34913/journals/lingua-lugar.2020.e212