De Afonso Henriques a Vasco da Gama: representações da história de Portugal na Exposição do Mundo Português (1940) e na Expo’98.

  • Pedro Martins Instituto de História Contemporânea (IHC), FCSH — UNL
Palavras-chave: Exposições, Memória Histórica, Expansão Marítima, Nacionalismo

Resumo

Realizadas em épocas históricas e em contextos políticos totalmente diferentes, a Exposição do Mundo Português de 1940 e a Expo’98 tiveram como denominador comum a comemoração da relação dos portugueses com o mar, nomeadamente a partir da sua expansão marítima dos séculos XV e XVI. Do Pavilhão dos Descobrimentos à Ponte Vasco da Gama, vários elementos destas duas exposições remeteram para um período histórico visto como digno de lembrança e orgulho pela nação. Apesar destas semelhanças temáticas, a representação da história portuguesa foi substancialmente diferente nos dois eventos, considerando a sua diferente natureza, contextos históricos e regimes políticos que os enquadraram.

Este artigo fará um exercício comparativo em torno das representações da história de Portugal na Exposição do Mundo Português de 1940 e na Expo’98. Serão analisados discursos oficiais produzidos no âmbito das duas exposições, bem como elementos visuais e performáticos (arquitetura dos pavilhões, encenações e espetáculos). A partir desta análise, será demonstrado como um discurso essencialista sobre a nacionalidade portuguesa, remetendo para uma suposta vocação universalista consagrada no período da expansão ultramarina, foi bem patente em ambas as exposições, não obstante o seu diferente carácter e os contextos históricos distintos em que estas se realizaram.

Biografia Autor

Pedro Martins, Instituto de História Contemporânea (IHC), FCSH — UNL

Pedro Martins é investigador do Instituto de História Contemporânea. Em 2011 concluiu uma tese de mestrado na Universidade Nova de Lisboa dedicada à história do turismo balnear em Portugal. É doutorado em História Contemporânea pela mesma universidade e pela Université de Lucerne (2016), com uma tese sobre as representações da Idade Média no século XX português. Desde janeiro de 2019 é membro da equipa de investigação do projeto ROSSIO – Ciências Sociais, Artes e Humanidades. É também membro do conselho editorial da revista Práticas da História Journal of Theory, Historiography and Uses of the Past, lançada em 2015.

Referências

Fontes primárias:

- 500 anos unidos pelo mesmo espírito (1998, 23 de maio). Expresso, Suplemento Economia e Negócios, p. 7.

Castro, A. (1940). A Exposição do Mundo Português e a sua finalidade nacional. Lisboa: Edição da Empresa Nacional de Publicidade.

Comemorações Centenárias (1940, 25 de junho). Diário de Notícias, p. 1.

Cruz, R. (1998). Atlântico: Pavilhão Multiusos de Lisboa. In Pavilhão da Utopia: Exposição Mundial de Lisboa de 1998 (pp.65-66). Lisboa: Parque Expo’98, SA.

Documentos para a história da Expo’98 (1989-1992) (1999). Lisboa: Parque das Nações.

Expo 7 Dias. Os PALOP ao espelho (1998, 6 de junho). Expresso, pp.18-19.

Fernandes, J. M. (1998, 21 de maio). Os heróis e a nossa identidade. Público, p. 3.

Guia da Exposição do Mundo Português (1940). Lisboa: Tipografia da Empresa Neogravura.

Guia de Espectáculos – 22 Maio – 23 Junho (1998). Lisboa: Parque Expo’98.

Mattoso, J. (1998, 13 de maio). Vasco da Gama: o super-herói. Público, p. 30.

De Afonso Henriques a Vasco da Gama: Pedro Martins representações da história de Portugal na Exposição do Mundo Português (1940) e na Expo’98.

Moura, V. G. (1998, 30 de setembro). Portugal e a Expo’98. Diário de Notícias, p. 23.

Oliveira, A. (1998). A Estação do Oriente vista por um engenheiro de estruturas. In Estação do Oriente. Estación de Oriente. Oriente Station (pp.13-15). Barcelos: Livros e Livros.

Pamplona, F. (1940, outubro-dezembro). Uma obra de arte: a Exposição do Mundo Português. Ocidente 11, p.172.

Salazar, A. O. (1938). Oitavo Centenário da Fundação de Portugal e Terceiro da Restauração da Independência. Rio de Janeiro: Comissão Executiva da Colónia do Rio de Janeiro.

Sampaio, J. (1999). Portugueses, vol.3. Lisboa: INCM.

Santos, C. M. (1996). Portugal: New Skies, New Lands, New Peoples. In Portugal and the Atlantic. Portugal et l’Atlantique (pp.7-49). Lisboa: Parque Expo’98 SA.

SOS Racismo contra a Expo (1998, 9 de maio). Expresso, p. 19.

Thomaz, L. F. (2018, 6 de agosto). Por um Museu dos Descobrimentos. Observador. Recuperado de: https://observador.pt/opiniao/por-um-museu-dos-descobrimentos/

(A) Última Exposição do Século XX. The Last Exposition of the 20th Century (1994). Lisboa: Expo’98.

Fontes secundárias:

Acciaiuoli, M. (1998). Exposições do Estado Novo. 1934-1940. Lisboa: Livros Horizonte.

Almeida, M. V. (1998). O regresso do luso-tropicalismo: nostalgias em tempos pós-coloniais. In Essas outras histórias que há para contar: Colóquio internacional Em tempo de Expo há outras histórias para contar (pp.236-243). Lisboa: Salamandra.

Andrade, L. M. O. (2001). História e memória. A restauração de 1640: do liberalismo às comemorações centenárias de 1940. Coimbra: Minerva.

Barradas, A. (1998). Ministros da noite. In Essas outras histórias que há para contar: Colóquio internacional Em tempo de Expo há outras histórias para contar (pp.228- 234). Lisboa: Salamandra.

Casaca, F. R. A. (2004). A peregrinação: o espectáculo da Expo'98 como metáfora do humano (Tese de mestrado). Universidade de Lisboa.

João, M. I. (2002). Memória e império: Comemorações em Portugal (1880-1960). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Machado, A. (2006). Os Espaços Públicos da Exposição do Mundo Português e da Expo’98. Lisboa: Parque Expo, 2006.

Marques, A. P. (1991). A historiografia dos descobrimentos e expansão portuguesa. Coimbra: Livraria Minerva.

Matos, S. C. (1990). História, mitologia e imaginário nacional: A história no curso dos liceus (1895-1939). Lisboa: Livros Horizonte.

Matos, S. C. (1998). “A historiografia portuguesa dos descobrimentos no século XIX”. Separata de Los 98 Ibéricos y el mar, vol.2. Madrid: Sociedad Estatal Lisboa ’98.

Nora, P. (1984). Entre Mémoire et Histoire. La problématique des lieux. In Les Lieux de Mémoire, vol.1 (pp.xv-xlvii). Paris: Gallimard.

Ó, J. R. (1987). Modernidade e tradição. Algumas reflexões em torno da Exposição do Mundo Português. In O Estado Novo. Das origens ao fim da autarcia 1926-1959, vol. 2 (pp.177-185). Lisboa: Fragmentos.

Ó, J. R. (1998). A Exposição do Mundo Português de 40 e a Expo 98. In Essas outras histórias que há para contar: Colóquio internacional Em tempo de Expo há outras histórias para contar (pp.246-249). Lisboa: Salamandra.

Peralta, E. (2017). Lisboa e a Memória do Império: Património, Museus e Espaço Público. Lisboa: Le Monde Diplomatique/ Outro Modo.

Ramos, R. (1997). Tristes conquistas: A expansão ultramarina na historiografia contemporânea (c.1840-c.1970) (Tese de provas de acesso a investigador auxiliar). Universidade de Lisboa.

Schweizer, S. (2007). „Unserer Weltanschauung sichtbaren Ausdruck geben“: nationsozialistische Geschichtsbilder in historischen Festzügen zum „Tag der Deutschen Kunst“. Göttingen: Wallstein Verlag.

Velez, J. P. (2008). Expo’98: História de um território reinventado. Lisboa: Parque Expo 98 SA.

Viegas, S. B. L. (2004). Expo’98: fazer cidade através de um tema (Tese de mestrado). Universidade Técnica de Lisboa.

Publicado
29-06-2020
Como Citar
Martins, P. (2020). De Afonso Henriques a Vasco da Gama: representações da história de Portugal na Exposição do Mundo Português (1940) e na Expo’98. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, (1), 44 - 65. https://doi.org/10.34913/journals/lingua-lugar.2020.e205
Secção
Dossiê: A Expo'98 e o Portugal pós-imperial em busca de uma narrativa nacional