Literaturas africanas, história e cultura: uma arqueologia radical e diversas interrogações

Autores

  • Ana Maria Martinho NOVA FCSH CHAM — Centro de Humanidades

DOI:

https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e528

Palavras-chave:

Literaturas africanas, História, Cultura, Literatura radical, Indigenous Methodologies

Resumo

Neste artigo procuramos discutir algumas das questões que a circulação do texto literário africano impõe e permite, na contemporaneidade, sendo certo para nós que tal só pode ser concretizado quando posto em relação com a história, a cultura, as artes. O futuro da receção e estudo destas literaturas depende da mudança assumida dos lugares de escuta, de fala e de produção crítica e aí pode residir a sua importância na desconstrução de modelos convencionais de leitura, o que entendemos como fundamental. Por isso nos interessam o escopo da definição de literatura radical e correspondentes metodologias críticas subversivas. A literatura, tal como as artes e a história, pode responder no fundo a questões da natureza equivalente, nomeadamente àquelas que rompem com o cânone e que não se limitam à discussão do que mudou entre textualidades de validação colonial e as suas muitas versões pós-coloniais.

Biografia Autor

Ana Maria Martinho, NOVA FCSH CHAM — Centro de Humanidades

Ana Maria Martinho é Professora Associada na Universidade Nova de Lisboa, Membro da Comissão Executiva do Departamento de Estudos Portugueses, Investigadora Integrada do CHAM – Centro de Humanidades (onde coordena a Linha Temática e o Seminário Permanente em Estudos Africanos) e Investigadora Associada do CREPAL. Tem experiência de investigação e docência universitária em Portugal (além da Universidade Nova, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica) e no estrangeiro (nomeadamente nos Estados Unidos, Reino Unido, França e Angola). Integra as Cátedras de Língua Portuguesa das Universidades de Cabo Verde e Católica de Angola. Coordena um Curso de Mestrado na FCSH, é responsável por Seminários e Cursos em todos os níveis de docência e orienta teses académicas e projetos de investigação avançada em Portugal e no estrangeiro. Faz parte das Comissões Científicas e Editoriais de eventos científicos, Revistas Académicas e Unidades de Investigação. A sua obra centra-se nas Literaturas e Culturas em Língua Portuguesa. Destacam-se títulos como Cânones Literários e Educação: os Casos Angolano e Moçambicano; The Protean Web: Literature and Ethnography in Lusophone Africa; Seminário Permanente em Estudos Africanos. Refiram-se entre os ensaios trabalhos sobre Teoria e Crítica e autores como António Jacinto, Suleiman Cassamo, Ruy Duarte de Carvalho, Orlanda Amarílis, Pe. António Vieira, João Rui de Sousa, os autores da Mensagem da CEI. Tem-se dedicado desde o início da sua carreira à divulgação das Literaturas em Língua Portuguesa e a cooperação académica internacional, também no âmbito do Português como Língua não Materna.

Referências

Atwell. D. (1993). J.M. Coetzee: South Africa and the politics of writing. University of California Press.

Carr, G. (1994). “Radical Literature and Cultural Validation: The Paradox of Merlin Radical Fiction”. Labour / Le Travail Vol. 34.

Carvalho, R. D. (1999) Vou lá visitar pastores. Lisboa: cotovia.

— (2005) Lavra (Poesia Reunida 1970-2000). Lisboa: cotovia.

— (2008). a câmara, a escrita e a coisa dita…. Lisboa: cotovia.

Cavafy, C. P. (1975). "Waiting for the Barbarians". C.P. Cavafy: Collected Poems. Translated by Edmund Keeley and Philip Sherrard. [1992].

Coetzee, J. M. (1980). Waiting for the Barbarians. London: Minerva.

— (2005) Disgrace. Penguin Books. Paperback. Comaro&, J., & Comaro&, J. (2006). Law and Disorder in the Postcolony. Illinois, Chicago: University of Chicago Press.

— (2012). “Theory from the South: Or, how Euro-America is Evolving Toward Africa”. Anthropological Forum 22.2.

Deleuze, G. e Guattari, F. (1987). A Thousand Plateaus: Capitalism and Schizophrenia. Trans. And Foreword by Brian Massumi. Minneapolis: U. of Minnesota Press.

Ferreira, M. (1989). O Discurso no Percurso Africano. Contribuição para uma estética africana. Lisboa: Plátano.

Kaváfis, K. (2005). Os Poemas. Lisboa: Relógio D’Água Editores. Tradução, prefácio e notas de Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Pratsinis.

Kock, L. (1987). “Literature, politics and universalism: A debate between Es'kia Mphahlele and J.M. Coetzee”. Journal of Literary Studies Volume 3, Issue 4. [Published online: 06 Jul 2007].

LeVine, M. (2005a). Overthrowing Geography: Ja%a, Tel Aviv and the Struggle for Palestine. Berkeley: University of California Press.

Mignolo, W. (2011). The Darker Side of Western Modernity – Global Futures Decolonial Options. Duke University Press.

Mphahlele, E. (1962) The African Image. London: Faber & Faber.

Richman, J. (2015). “Coetzee as Contractarian: Disgrace as Political Theory”. South African History Online. (https://www.sahistory.org.za/article/coetzeecontractarian-disgrace-political-theoryjoshua-richman)

Schroeder, R. (2014). “Exploring Critical and Indigenous Research Methods with a Research Community: Part I–The Leap”; “Part II – The Landing". In the

Library with the Lead Pipe. (http://www.inthelibrarywiththeleadpipe.org/2014/exploring-the-landing/)

Spivak, G. C. (1999). A Critique of postcolonial reason: Toward a history of the vanishing present. Cambridge: Harvard University Press.

Vallega, A. (2015). Latin American Philosophy: from Identity to Radical Exteriority. Indiana University Press.

Outras referências consultadas:

PressReader.com - Réplicas de Jornais de Todo o Mundo

http://artthrob.co.za/Artbio/Kiluanji_Kia_Henda_by_M_Blackman.aspx

https://www.buala.org/pt/a-nossa-buala

http://www.buala.org/pt/cara-a-cara/norasto-de-instrumentos-inovadores-entrevistaa-victor-gama

Goodman Gallery (goodman-gallery.com)

The language of African Literature”. New Left Review, 1985. (https://newleftreview.org/issues/i150/articles/thiongo-ngugi-wa thelanguage-of-african-literature)

Representações da violência em Disgrace e Waiting for the Barbarians de J. M. Coetzee (usp.br)

Epistemic Decolonization through the Colonial, Anti- and Post-Colonial Archive in

Contemporary Art | Vista (revistavista.pt)

Literaturas Africanas — Ana Maria Martinho

Publicado

12-08-2021 — Atualizado em 31-08-2021

Versões

Como Citar

Martinho, A. M. (2021). Literaturas africanas, história e cultura: uma arqueologia radical e diversas interrogações. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, 2(3), 84–99. https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e528 (Original work published 12 de Agosto de 2021)