Arte integral, arte coletiva: o caso Mário Cesariny

Autores

  • Danilo Bueno Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e529

Palavras-chave:

Mário Cesariny, Surrealismo português, Coletivo, Jogo, Performance

Resumo

A partir da ideia de produção de uma obra integral, em que operam a coletivização de discursos, suportes e modos de fazer, busca-se enfatizar a atuação lúdica e performática de Mário Cesariny, por meio da aproximação de poema, pictopoema, fotografia, pintura e colagem.

Biografia Autor

Danilo Bueno, Universidade de São Paulo

Danilo Bueno é Doutor e Mestre em Letras pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Interessa-se, principalmente, pela pesquisa de poesia portuguesa e brasileira dos séculos XX e XXI. Coordenou cursos livres de literatura e oficinas de criação poética no Centro Cultural São Paulo (CCSP), no Espaço Haroldo de Campos de Poesia e no SESC-SP. Integrou o grupo de estudos NELLPE - Núcleo de Estudos das Literaturas de Língua Portuguesa e Ética.

Referências

Almeida, E. P. de. (2017). “Da liberdade livre das imagens: a poesia segundo M.C.V”. In: J.M. Frias, P. Eiras, R.M. Martelo (orgs.). Ofício múltiplo poetas em outras artes. Porto: Edições Afrontamento, pp. 39-54.

Almeida, B. P. de. (2005). Mário Cesariny – A imagem em movimento. Lisboa: Editorial Caminho.

Bataille, G. (2016). A experiência interior. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Editora Autêntica.

Breton, A. (1969). Manifestos do surrealismo. Trad. Pedro Tamen. Lisboa: Moraes Editores.

Corredoira. P. (Coord.) (2010). Benvindos a | You are welcome to Elsinore – Mário Cesariny | Artur Cruzeiro Seixas – Colección Fundación Cupertino de Miranda. Galicia: Xunta de Galicia.

Cesariny, M. (org.) (2004a). Horta da literatura de cordel. 2ª edição. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

— (2004b). Jornal do Gato. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

— (2020). Poemas dramáticos e pictopoemas. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

— (2017). Poesia. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

Cuadrado, P. E. (2020). “A palavra convoca o que invoca. Dizemos Mário e acontece a poesia (ou seja, PREFÁCIO)”. In: Poemas dramáticos e pictopoemas. Lisboa: Editora Assírio & Alvim, pp. 09-29.

Durozoi, G.; Lecherbonnier, B. (1976). O surrealismo. Trad. Eugénia Maria Madeira Aguiar e Silva. Coimbra: Editora Almedina.

Franco, A. C. (2017). Luiz Pacheco Essencial. Lisboa: Maldoror Letra Livre.

— (2013). O Surrealismo português e Teixeira de Pascoaes. São Paulo: Editora Escrituras.

— (2019). O triângulo mágico – uma biografia de Mário Cesariny. Lisboa: Editora Quetzal.

Freitas, L. de (1977). “Mário Cesariny, pintor”. In: Mário Cesariny. Lisboa. Direção-Geral de Acção Cultural – Secretaria do Estado de Cultura, pp. 19-39.

Gonçalves, R-M. (2004). O talento multifacetado de Cesariny. <https://www.dn.pt/arquivo/2006/o-talento-multifacetadode-cesariny-649291.html> (último acesso

em 16 de Novembro de 2020).

Gusmão, M. (2010). “Entre nós e as palavras”. In: Tatuagem e palimpsesto. Lisboa: Editora Assírio & Alvim, pp. 388-406.

Helder, H. (2013). Photomaton & vox. 5ª edição. Lisboa: Editora Assírio & Alvim.

Huizinga, J. (2014). Homo ludens. Trad. João Paulo Monteiro. São Paulo: Editora Perspectiva.

Lautréamont, C. (2013). Os cantos de Maldoror – Poesias I e II. Trad. Manuel de Freitas. Lisboa: Editora Antígona.

Magalhães, J.M. (2005). “Nota introdutória”. In: Antologia – José Ángel Cilleruelo, Lisboa: Editora Averno, pp. 11-15.

Martins, F. C. (2016). Mário Cesariny e O Virgem Negra. Lisboa: Edições Documenta.

Mendes, M. G. (2014). Verso de Autografia: Miguel Gonçalves Mendes conversa com Mário Cesariny. Lisboa: Edição JumpCut.

Pacheco, L. (1974). Pacheco versus Cesariny. Lisboa: Editorial Estampa.

Rocha, M.C. (2018). “Mário Cesariny e Joan Brossa: para a transformação poética do homem”. In: Cadernos 17 – Mário Cesariny e Joan Brossa. Vila Nova Famalicão: Centro de Estudos do Surrealismo/Fundação Cupertino de Miranda, pp. 07-39.

Rocha, M.C. (2017). “‘Dizer no todo’: Palavra e imagem na obra de Mário Cesariny”. Revista Visualidades, 15(02), pp. 39-68. Recuperado de <https://doi.org/10.5216/vis.v15i2.46479>.

Arte integral — Danilo Bueno

Publicado

12-08-2021

Como Citar

Bueno, D. (2021). Arte integral, arte coletiva: o caso Mário Cesariny. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, 2(3), 102–120. https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e529