Encruzilhadas históricas: trajetórias de ontem e de hoje

Autores

  • Nazaré Torrão Université de Genève

DOI:

https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e523

Resumo

Durante muito tempo considerou-se que o principal objetivo da história seria reconstruir o passado sem os efeitos de distorção do presente. O presente da escrita, contudo, acaba por influenciar de alguma forma o modo como se olha para os acontecimentos, para os intervenientes que se valorizam, de quem são as histórias narradas e de quem as que são deixadas na sombra. Para a reconstrução de determinado evento do passado é necessário ordenar os factos, encontrar os motivos por trás da ação e discernir os objetivos. Isso liga a ação ao contexto, aos acontecimentos anteriores e aos que daí resultarão. É preciso pois construir uma narrativa coerente. Hayden White (2010), entre outros estudiosos, como por exemplo Paul Ricoeur (1983-1985), insiste no caráter narrativo da história. Mas isso torna a história dependente, tal como outras narrativas, do narrador, do ponto de vista, do momento em que é narrada e do período de tempo escolhido. Ou seja, o presente da escrita influi na perspetiva que se adota e permite muitas vezes uma releitura crítica não só dos factos passados, como também do modo como nos foram narrados.

Biografia Autor

Nazaré Torrão, Université de Genève

Nazaré Torrão é doutorada em Literatura Comparada pela Universidade de Genebra, onde é responsável pela unidade de português desde 2012 e diretora da Cátedra Lídia Jorge, anteriormente CEL (Centre d’Études Lusophones) desde 2017. Leciona língua e literaturas em português na mesma universidade desde 1995. A sua pesquisa centra-se nas literaturas contemporâneas portuguesa, moçambicana e angolana. Desenvolve investigação sobre as questões da representação literária da identidade nacional e do devir histórico, sobre as poéticas do espaço e das migrações e sobre questões de género.

Referências

Agostinho (2004). “Livro XI”. Confissões. Tradução de Espírito santo, A., Beato, J. e Pimentel, M. C. C.-M. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Armitage, D. (s/d). “In Defense of Presentism”. History and Human Flourishing, ed. Darrin M. McMahon. Oxford: Oxford University Press, (último acesso em 08/07/2021).

Carr, D. (1986). “Le passé à venir : ordre et articulation du temps selon Husserl, Dilthey et Heidegger”. Laval théologique et philosophique, 42, 3, pp. 333-344, (último acesso em 08/07/2021).

Carr, D. (1986). “Narrative and the Real World”. History and Theory, vol. 25, n. 2, pp. 117-131, <https://www.jstor.org/ stable/2505301> (último acesso em 08/07/2021).

Marinho, M. de F. (2008). History and Myth: The Presence of National Myths in Portuguese Literature. Munique: Martin Meidenbauer.

Ricoeur, P. (1983-1985). Temps et Récit, 3 vol. Paris: Éditions du Seuil.

White, H. (2010). The Fiction of Narrative: Essays on History, Literature, and Theory, 1957-2007. Baltimore: The Johns Hopkins University Press.

Artigos de imprensa:

https://www.publico.pt/2021/06/04/politica/ noticia/comemoracoes-50-anos-25-abril- regenerar-lacos-democracia-1965253

https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/a- polemica-dos-50-anos-do-25-de-abril-e-da- nomeacao-de-pedro-adao-e-silva

https://expresso.pt/podcasts/leste-oeste-de- nuno-rogeiro/2021-06-13-Nuno-Rogeiro-e-os- 50-anos-do-25-de-Abril-Nao-se-devia-gastar- um-euro-nas-comemoracoes.-A-memoria- nao-custa-dinheiro-544e354f

Encruzilhadas históricas: trajetórias de ontem e de hoje — Nazaré Torrão

Publicado

12-08-2021

Como Citar

Torrão, N. (2021). Encruzilhadas históricas: trajetórias de ontem e de hoje. Língua-Lugar : Literatura, História, Estudos Culturais, 2(3), 13–22. https://doi.org/10.34913/journals/lingualugar.2021.e523